segunda-feira, 11 de abril de 2011

Galo vence, segura o segundo lugar e mantém chance de terminar na liderança

Time alvinegro bate a Caldense por 2 a 0 e continua na briga para ser o primeiro


O Atlético fez a sua parte, voltou a vencer fora de casa e se garantiu nas semifinais do Campeonato Mineiro. Com um time mais ofensivo no segundo tempo, comandado por Daniel Carvalho, o Galo bateu a Caldense por 2 a 0, neste domingo, no Estádio Ronaldo Junqueira, em Poços de Caldas. O alvinegro segurou o segundo lugar na tabela e manteve a esperança de terminar a fase de classificação na liderança. Ricardo Bueno e Magno Alves marcaram os gols do triunfo.

Foi a segunda vitória consecutiva do Galo como visitante. Na rodada anterior, o time superara o Democrata, em Governador Valadares, por 3 a 1. Além disso, o Atlético amenizou um pouco o momento delicado depois da eliminação na Copa do Brasil, em pífio empate sem gols contra o Grêmio Prudente, na Arena do Jacaré. Mas a equipe está longe daquilo que o técnico Dorival Júnior considera ideal. Principalmente pelo primeiro tempo, quando o alvinegro foi apático e pouco presente no campo ofensivo. Na etapa final, com as mudanças do treinador, o time melhorou e construiu o triunfo em apenas 13min.

O Atlético chegou a 23 pontos e ainda pode terminar a fase de classificação em primeiro lugar, o que lhe garantiria a vantagem de jogar por dois resultados com mesmo saldo de gols, além de decidir em casa, até a final. Para isso, o Galo precisa derrotar o América-TO, também postulante a entrar nas semifinais, no próximo domingo, na Arena do Jacaré, e torcer por derrota do Cruzeiro diante do Uberaba, na mesma data, no Triângulo.

O jogo

O primeiro tempo do Atlético foi abaixo da crítica. Sem Renan Oliveira, vetado, Dorival Júnior apostou em outro jovem no meio-campo, Bernard. Mas, com erros de passe e muita lentidão na saída para o ataque, o time só ameaçou o gol de Glaysson em lances esporádicos. Já a Caldense teve na forte marcação a principal virtude. A diferença é que a equipe de Poços de Caldas levou mais perigo à meta defendida por Renan Ribeiro.

Com a mudança no ataque, Mancini ao lado de Magno Alves, o maior problema do Atlético estava na criação das jogadas. Tanto que a dupla ofensiva pouco foi acionada. Mancini praticamente não apareceu em campo, enquanto Magno Alves teve apenas uma oportunidade. A Caldense começou melhor, trocava passes com mais facilidade que o Galo. Mas só chegou pela primeira vez aos 17min, quando Chimba cabeceou à direita de Renan Ribeiro e assustou. Dois minutos depois, André Alves pegou rebote e chutou por sobre o gol.

A expulsão do volante Vieira, aos 26min de partida, depois de receber o segundo cartão amarelo por entrada violenta no jovem Bernard, poderia ser fator benéfico ao Galo. Mas nem com um homem a mais o time alvinegro engrenou. Preocupado em perder a vantagem numérica, Dorival Júnior sacou Jackson, que já estava ‘amarelado’ para a entrada de Daniel Carvalho, que estreou este ano.

Mas a Caldense ainda chegava com mais força. Aos 37min, Rodrigo Dias recebeu na área e chutou fraco, facilitando a defesa de Renan Ribeiro. Na única vez em que o Atlético conseguiu criar uma jogada na área do adversário e concluir a gol, Magno Alves girou e chutou à direita de Glaysson. Muito pouco para uma equipe que precisava vencer para dar uma resposta à torcida depois da eliminação na Copa do Brasil.

Ousadia premiada

O Atlético voltou a campo com alterações para o segundo tempo. Dorival escalou Leleu e Ricardo Bueno nos lugares de Fillipe Soutto e Rafael Cruz, respectivamente. Com isso, Bernard foi para a lateral direita e a promessa era de uma equipe mais ofensiva. E o Galo recomeçou a partida dando o primeiro sinal de que atacaria mais. Aos 44seg, Leleu recebeu de Magno Alves e Glaysson defendeu.

Aos 2min, o Galo saiu na frente. Daniel Carvalho chutou, Glaysson deu rebote e Ricardo Bueno, livre, completou para as redes: 1 a 0. Era o que o time alvinegro precisava, tranquilidade para jogar e saber usar a vantagem a favor. O alvinegro quase ampliou com Daniel Carvalho, em cobrança de falta. Mas o goleiro da Caldense foi buscar.

Com um homem de criação no meio, as jogadas já saíam com mais facilidade. Além disso, ao contrário da primeira etapa, o Galo sempre tinha alguém na área esperando a bola. E foi assim que saiu o segundo gol, aos 13min. Ricardo Bueno cruzou da direita, Leleu cabeceou e Glaysson espalmou nos pés de Magno Alves, que não perdoou: 2 a 0. A Caldense ficou praticamente entregue. Buscou o ataque, mais na base da vontade, mas não conseguia finalizar bem ou penetrar na área atleticana.

Com a vantagem ampliada, o Galo valorizou ainda mais a posse de bola, mas sem deixar de atacar. Em um lance pela direita, de muito longe da área, Ricardo Bueno tentou encobrir Glaysson, que conseguiu se recuperar e mandar a bola para escanteio. A Caldense demonstrou cansaço no fim, afrouxou a marcação e só chegou com perigo com Luisinho, que concluiu à direita de Renan Ribeiro.

CALDENSE 0 X 2 ATLÉTICO

Caldense: Glaysson; Rodrigo Dias, André Alves, Rafael Dias e Márcio Loyola (Esquerdinha); Maxsuel, Jardel, Vieira e Luisinho; Fernando Gaúcho (Xandinho) e Chimba (William)
Técnico: Roberto Fonseca

Atlético: Renan Ribeiro; Rafael Cruz (Ricardo Bueno), Réver, Leonardo Silva e Guilherme; Serginho, Fillipe Soutto (Leleu), Jackson (Daniel Carvalho) e Bernard; Mancini e Magno Alves
Técnico: Dorival Júnior

Motivo: 10ª rodada do Campeonato Mineiro
Local: Estádio Ronaldo Junqueira, em Poços de Caldas
Data: domingo, 10/04
Gols: Ricardo Bueno, 2min, Magno Alves, 13min, 2ºT
Árbitro: Renato Cardoso Conceição
Auxiliares: Marconi Helbert Vieira e Frederico Soares Vilarinho
Cartões amarelos: Jackson, Rafael Cruz, Bernard (Atlético); Vieira, Jardel, Fernando Gaúcho (Caldense)
Cartão vermelho: Vieira (26min, 1ºT)

Nenhum comentário:

Postar um comentário